Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

logo eraespirito

Ano 6 ▪ Nº 298 ▪ De 26 de novembro a 2 de dezembro de 2017

Na Era do Espírito
Editor: Celso da Costa Frauches – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ano 6 ▪ Nº 298 ▪ De 26 de novembro a 2 de dezembro de 2017

Na Era do Espírito é um espaço virtual para mensagens destinadas à educação dos sentimentos e emoções do Espírito, ser imortal, criado à imagem e semelhança de Deus – “inteligência suprema, causa de todas as coisas”.

Mundo Espiritual: a vida afetiva dos espíritos

Inácio Ferreira

O livro “Nosso Lar”, este compêndio de extraordinárias lições, em seu capítulo 38 – “O Caso Tobias” –, transmite-se valiosos ensinamentos a respeito da vida afetiva dos espíritos, além da morte do corpo físico.
Resumindo, diremos que Tobias, um dos grandes seareiros de “Nosso Lar”, convidara André Luiz para efetuar uma visita à sua residência, onde ele, Tobias, residia na companhia de duas irmãs.
Interessante a informação que André nos transmite logo no terceiro parágrafo: “Reunidos na formosa biblioteca de Tobias, examinamos volumes maravilhosos na encadernação e no conteúdo espiritual.”
E aqui, naturalmente, surgem as primeiras perguntas que tomamos a liberdade de dirigir aos nossos internautas:
− Que livros seriam aqueles na biblioteca de Tobias?! Livros de autores encarnados, ou desencarnados?! Livros que haviam sido concebidos na Terra e na Terra impressos, ou escritos lá mesmo, no Mundo Espiritual, por autores desencarnados, e impressos por um serviço gráfico do Além?!...
Examinar, com atenção, cada parágrafo de “Nosso Lar” é de suma importância para que, tanto quanto possível, nada nos escape em termos de informação.
Muitos dos que rejeitam a referida Obra, psicografada por Chico Xavier, talvez, ainda não tenham alcançado o necessário amadurecimento para conceber a Vida em seu natural espírito de sequência – inconscientemente, influenciados por outras teologias religiosas, ainda não conseguem raciocinar sob outro prisma, se não aqueles que descrevem a Vida no Além de forma maravilhosa, ou sobrenatural.
Em seguida a sua visita à biblioteca, André é convidado pela senhora Hilda a observar o jardim, novamente, assim, dando especial destaque à Natureza no Mundo Espiritual, demonstrando, uma vez mais, que, por aqui, nada é criação da mente, pois que as plantas crescem e se desenvolvem como crescem e se desenvolvem nos jardins terrestres – existe, sim, REPRODUÇÃO VEGETAL, como também REPRODUÇÃO ANIMAL, e, consequentemente, REENCARNAÇÃO NO MUNDO ESPIRITUAL.
Irmãos, poucos esclarecidos ou maledicentes, têm afirmado que nós temos dito que espírito reproduz, quando a tese que sustentamos é que corpo espiritual se reproduz, ou seja: perispírito, ou envoltórios do espírito, que constituem os seus corpos mais ou menos materiais, podem, sim, se reproduzir.
Espanta-nos, em nossos confrades adeptos da tese da FÉ RACIOCINADA, a não aceitação desta realidade, tão clara quanto à meridiana luz do Sol. Se bem, Nicodemos, o doutor da lei, nada entendeu quando Jesus tentou explicar a ele a Reencarnação, dizendo: “Mas, se não me credes, quando vos falo das coisas da Terra, como me crereis, quando vos fale das coisas do céu?”
Entrando em conversação mais íntima com André, Tobias começa a narrar a ele o seu interessante caso familiar, semelhante a milhares de outros existentes na Terra inteira.
Tobias havia sido casado na Terra duas vezes – casara-se, inicialmente, com Hilda, com quem tivera dois filhos, e, depois, por sua vez, desposara Luciana. Ambas estavam residindo com ele, na mesma casa, em “Nosso Lar”. Os mais afoitos, talvez, pensem que Tobias, desencarnado, tenha constituído um harém depois da morte...
André, no entanto, que ainda ignorava que a sua esposa, Zélia, havia se unido a outro companheiro na Terra, diz a Tobias: − De fato (...), o problema interessa profundamente a todos nós. Há milhões de pessoas, nos circuitos do planeta, em estado de segundas núpcias. Como resolver tão alta questão afetiva, considerando a espiritualidade eterna?”.
Um de nós – quem sabe?! –, talvez esteja dentro da mesma situação de Tobias... Quantos, enviuvando-se, sentem necessidade de se unirem a novo cônjuge?! E, na maioria das vezes, não é nem por conta de viuvez, mas pelo motivo de uma separação motivada, por exemplo, devido a incompatibilidade entre o casal...
Antes de encerrarmos, porém, a matéria desta semana, perguntamos: por que razão as uniões conjugais prosseguem além da morte?! Por que Tobias continuava com Hilda na condição de sua esposa, tudo levando a crer, que ele e ela prosseguiam mantendo íntimo relacionamento na Vida Espiritual?! Ora, anteriormente, no capítulo 18 – “Amor, Alimento das Almas” –, vimos que Lísias sai ao encontro de Lascínia, de quem se encontrava enamorado, e que o aguardava no “Campo da Música”.

(Uberaba, 20 de novembro de 2017 (Disponível em: http://inacioferreira-baccelli.blogspot.com.br/. Postado por Carlos Antônio Baccelli às 23h28)

Nota da redação

O Dr. Inácio aborda, de forma sucinta, em seu blog, “O Caso Tobias”, capítulo 38 do livro Nosso Lar, ditado pelo Espírito André Luiz ao médium Chico Xavier e publicado pela Federação Espírita Brasileira (2003, págs. 229-235). A 1ª edição é de 1944 e integra a coleção A Vida do Mundo Espiritual. Para melhor entendimento do leitor que não leu Nosso Lar, é conveniente transcrever a parte substancial do diálogo entre André Luiz, Tobias, Hilda, sua primeira esposa, e Luciana, a segunda esposa, quando encarnados.
André Luiz visita o lar de Tobias, a convite deste, e conhece Hilda e Luciana. Após conhecer toda casa, o próprio Tobias sente que André Luiz está estranhando o fato dele abrigar, em seu lar espiritual, os Espíritos que animaram os corpos das duas esposas terrenas.
A leitura do diálogo que se segue é bastante esclarecedora para o integral entendimento do texto do Espírito Inácio Ferreira – o Dr. Inácio −, pela mediunidade de Carlos A. Baccelli.
A certa altura da palestra amável, Tobias acrescentou, sorridente:
− O meu amigo, a bem dizer, é ainda novato em nosso Ministério e talvez desconheça o meu caso familiar.
Sorriam ao mesmo tempo as duas senhoras; e, observando-me a silenciosa interpelação, o dono da casa continuou:
− Aliás, temos numerosos núcleos nas mesmas condições. Imagine que fui casado duas vezes...
E, indicando as companheiras de sala, prosseguiu num gesto de bom humor:
− Creio nada precisar esclarecer quanto às esposas.
− Ah! sim − murmurei extremamente confundido −, quer dizer que as senhoras Hilda e Luciana compartilharam das suas experiências na Terra...
− Isso mesmo, respondeu tranqüilo.
Nesse ínterim, a senhora Hilda tomou a palavra, dirigindo-se a mim:
− Desculpe o nosso Tobias, irmão André. Ele está sempre disposto a falar do passado, quando nos encontramos com alguma visita de recém-chegados da Terra.
− Pois não será motivo de júbilo, aduziu Tobias bem-humorado, vencer o monstro do ciúme inferior, conquistando, pelo menos, alguma expressão de fraternidade real?
− De fato, objetei, o problema interessa profundamente a todos nós. Há milhões de pessoas, nos círculos do planeta, em estado de segundas núpcias. Como resolver tão alta questão afetiva, considerando a espiritualidade eterna? Sabemos que a morte do corpo apenas transforma sem destruir. Os laços da alma prosseguem, através do Infinito. Como proceder? Condenar o homem ou a mulher que se casaram mais de uma vez? Encontraríamos, porém, milhões de criaturas nessas condições. Muitas vezes já lembrei, com interesse, a passagem evangélica em que o Mestre nos promete a vida dos anjos, quando se referiu ao casamento na Eternidade.
− Forçoso é reconhecer, todavia, com toda a nossa veneração ao Senhor, atalhou o anfitrião, bondoso, que ainda não nos achamos na esfera dos anjos e, sim, dos homens desencarnados.
− Mas, como solucionar aqui semelhante situação? − perguntei.
Tobias sorriu e considerou:
− Muito simplesmente; reconhecemos que entre o irracional e o homem há enorme série gradativa de posições. Assim, também, entre nós outros, o caminho até o anjo representa imensa distância a percorrer. Ora, como podemos aspirar à companhia de seres angélicos, se ainda não somos nem mesmo fraternos uns com os outros? Claro que existem caminheiros de ânimo forte, que se revelam superiores a todos os obstáculos da senda, por supremo esforço da vontade; mas a maioria não prescinde de pontes ou do socorro de guardiães caridosos. Em vista dessa verdade, os casos dessa natureza são resolvidos nos alicerces da fraternidade legítima, reconhecendo-se que o verdadeiro casamento é de almas e essa união ninguém poderá quebrantar.
Nesse instante, Luciana, que se mantinha silenciosa, interveio, acrescentando:
− Convém explicar, todavia, que tudo isso, felicidade e compreensão, devemos ao espírito de amor e renúncia de nossa Hilda.
A senhora Tobias, no entanto, demonstrando humildade digna, acentuou:
− Calem-se. Nada de qualidades que não possuo. Buscarei sumariar nossa história, a fim de que nosso hóspede conheça meu doloroso aprendizado.
E continuou, depois de fixar um gesto de narradora amável:
− Tobias e eu nos casamos na Terra, quando ainda muito jovens, em obediência a sagradas afinidades espirituais. Creio desnecessário descrever a felicidade de duas almas que se unem e se amam verdadeiramente no matrimônio. A morte, porém, que parecia enciumada de nossa ventura, subtraiu-me do mundo, por ocasião do nascimento do segundo filhinho. Nosso tormento foi, então, indescritível. Tobias chorava sem remédio, ao passo que eu me via sem forças para sufocar a própria angústia. Pesados dias de Umbral abateram-se sobre mim. Não tive remédio senão continuar agarrada ao marido e ao casal de filhinhos, surda a todo esclarecimento que os amigos espirituais me enviavam, por intuição.
Queria lutar, como a galinha ao lado dos pintainhos. Reconhecia que o esposo necessitava reorganizar o ambiente doméstico, que os pequeninos reclamavam assistência maternal. Tornava-se a situação francamente insuportável. Minha cunhada solteira não tolerava as crianças e a cozinheira apenas fingia dedicação. Duas amas jovens pautavam toda a conduta pessoal pela insensatez. Não pôde Tobias adiar a solução justa e, decorrido um ano da nova situação, desposou Luciana, contrariando meus caprichos. Ah! se soubesse como me revoltei! Semelhava-me a uma loba ferida. Minha ignorância deu até para lutar com a pobrezinha, tentando aniquilá-la. Foi aí que Jesus me concedeu a visita providencial de minha avó materna, desencarnada havia muitos anos. Chegou ela como quem nada desejava, enchendo-me de surpresa, sentou-se a meu lado, pôs-me em seguida ao colo, como noutro tempo, e perguntou-me lacrimosa: − "Que é isso, minha neta? Que papel é o seu na vida? Você é leoa ou alma consciente de Deus? Pois nossa irmã Luciana serve de mãe a seus filhos, funciona como criada de sua casa, é jardineira do seu jardim, suporta a bílis do seu marido e não pode assumir o lugar provisório de companheira de lutas, ao lado dele? É assim que o seu coração agradece os benefícios divinos e remunera aqueles que o servem? Quer você uma escrava e despreza uma irmã? Hilda! Hilda! onde está a religião do Crucificado que você aprendeu? Oh! minha pobre neta, minha pobre!..." Abracei-me, então, em lágrimas, com a velhinha santa e abandonei o antigo ambiente doméstico, vindo em companhia dela para os serviços de "Nosso Lar". Desde essa época, tive em Luciana mais uma filha. Trabalhei, então, intensamente. Consagrei-me ao estudo sério, ao melhoramento moral de mim mesma, busquei ajudar a todos, sem distinção, em nosso antigo lar terrestre. Constituiu Tobias uma família nova, que passou a me pertencer, igualmente, pelos sagrados laços espirituais. Mais tarde, voltou ele, reunindo-se a mim, acompanhado de Luciana, que veio também ter conosco para nossa completa alegria. E aí tem, meu amigo, a nossa história...
Luciana, contudo, tomou a palavra e observou:
− Não disse ela, porém, quanto se tem sacrificado, ensinando- me com exemplos.
− Que dizes, filha? − perguntou a senhora Tobias, acariciando- lhe a destra.
Luciana sorriu e ajuntou:
− Mas, graças a Jesus e a ela, aprendi que há casamento de amor, de fraternidade, de provação, de dever, e, no dia em que Hilda me beijou, perdoando-me, senti que meu coração se libertara desse monstro que é o ciúme inferior. O matrimônio espiritual realiza-se, alma com alma, representando os demais, simples conciliações indispensáveis à solução de necessidades ou processos retificadores, embora todos sejam sagrados.
− E assim construímos nosso novo lar, na base da fraternidade legítima, acrescentou o dono da casa.
Aproveitando o ligeiro silêncio que se fizera, indaguei:
− Mas como se processa o casamento aqui?
− Pela combinação vibratória − esclareceu Tobias, atencioso −, ou então, para ser mais explícito, pela afinidade máxima ou completa.
Incapaz de sopitar a curiosidade, esqueci a lição de bom-tom e interroguei:
− Mas, qual a posição de nossa irmã Luciana neste caso?
Antes, porém, que os cônjuges espirituais respondessem, foi a própria interessada que explicou:
− Quando desposei Tobias, viúvo, já devia estar certa de que, com todas as probabilidades, meu casamento seria uma união fraternal, acima de tudo. Foi o que me custou a compreender. Aliás, é lógico que, se os consortes padecem inquietação, desentendimento, tristeza, estão unidos fisicamente, mas não integrados no matrimônio espiritual.
Queria perguntar mais alguma coisa; entretanto, não encontrava palavras que revelassem ausência de impertinente indiscrição. A senhora Hilda, contudo, compreendeu-me o pensamento e explicou:
− Fique tranqüilo. Luciana está em pleno noivado espiritual. Seu nobre companheiro de muitas etapas terrenas precedeu-a há alguns anos, regressando ao círculo carnal. No ano próximo, ela seguirá igualmente ao seu encontro. Creio que o momento feliz será em São Paulo.
Sorrimos todos alegremente...

Mensagem da semana

A maior surpresa da morte carnal é a de nos colocar face a face com a própria consciência, onde edificamos o céu, estacionamos no purgatório ou nos precipitamos no abismo infernal: vem lembrar que a Terra é oficina sagrada, e que ninguém a menosprezará, sem conhecer o preço do terrível engano a que submeteu o próprio coração.

Emmanuel

(Extraído do livro Nosso Lar / ditado pelo Espírito André Luiz; [psicografado por] Chico Xavier. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2003, p. 9)

Críticas, colaborações e sugestões para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..